Pesquisar este blog

16 de ago de 2016

CARLOS KOPES E SEUS MÍNIMOS RELATOS


Carlos Kopes, diferente de muitos autores, busca a discrição, um certo isolamento estratégico e até mesmo publica parcimoniosamente neste momento em que a autopublicação é uma realidade no mercado editorial. Mas, engana-se quem pensa que sua produção não esteja acontecendo, no seu próprio ritmo, gestada com cautela e sem a pressa dos que mal alinhavam um pequeno texto e se apressam imediatamente a publicá-lo. Num tempo dominado pelos relampejos dos flashs, pelos cliques, pela avalanche de redes sociais que têm o poder de dar visibilidade instantânea a qualquer um que consiga chamar atenção, Kopes se mantém ausente desse torvelinho e dedicado aos seus afazeres na magistratura e aos encantamentos que a leitura seletiva é capaz de proporcionar a quem se dispõe a desvendar as boas páginas da literatura universal.

É com imenso prazer que apresentamos alguns textos do autor para apreciação dos nossos leitores. 
(Paulo Tarso Barros)


Kopes e sua esposa a prof. Tânia Ataíde




RELATOS MÍNIMOS



CRÔNICA DA VIDA E DOS INFORTÚNIOS DE ELIZABETH FLORES, A DONA LILI, REGISTRADA POR UM OBSERVADOR ATENTO E IMPARCIAL

Tudo que ela queria era fazer cessar o sofrimento, mergulhar no Olvido. Esquecer-se de si e do fardo que a vida lhe impusera. E por isso bebia, bebia.
Quando Olvido Amâncio de Jesus veio bater à porta, finalmente divorciado, era tarde: o fígado dela já havia sido corroído pela cirrose.

. . . . . .


Atravessando a rua naquela manhã luminosa de setembro, Domenicus Weistenhoff ainda não exibia os sintomas da doença que iria matá-lo poucos meses depois.
Isso, porém, deixaria de ter qualquer importância em alguns minutos. Porque a chuva de meteoros que passava naquele momento nas proximidades de Proteus e Nereida era massiva o bastante para deslocar infinitesimalmente Plutão, então cruzando a órbita de Netuno; e daí que aquele sedã que deveria ter dobrado à direita na esquina anterior agora seguia em alta velocidade direto para a faixa de pedestres.


Kopes, Paulo Tarso e Herbert Emanuel

. . . . . .


Insuficiência peniana. Depois de um longo e arrastado processo, com perícias e oitiva de especialistas, fora esse o cruel veredito. E ele, agora, deveria submeter-se a um período probatório de um ano, no qual estava obrigado a aumentar o comprimento e o diâmetro do órgão, sob pena de ver dissolvido seu casamento.
Seis meses haviam se passado, entre dores excruciantes, causadas ora pelos instrumentos introduzidos para aumentar o volume dos corpos cavernosos, ora pelos pesos que, amarrados ao pênis, deveriam alongá-lo. Muitas vezes havia pensado em desistir. Mas agora ele estava em Málaga.
A Universidade de Málaga noticiara o exitoso implante do primeiro pênis biônico, um construto feito com partes mecânicas e tecido cultivado em laboratório, ereto ao toque de um botão. E agora passaria a fazer cirurgias em outras pessoas que, como o primeiro paciente, haviam perdido por completo o órgão.
Ali no quarto de hotel estava tudo que ele precisava. O telefone da emergência médica local; o anestésico; o torniquete; a faca afiada. Executadas as etapas com precisão, foi perdendo a consciência com um sorriso, sonhando com um potente despertar, embalado pela voz cada vez mais longínqua na TV...
Notícia urgente. A Universidade de Málaga informou serem absolutamente inverídicas as notícias acerca da criação de um pênis biônico O porta-voz da instituição criticou veementemente as pessoas que teriam divulgado esses boatos fantasiosos [...]


. . . . . .


Kopes, à esquerda da desembargadora Sulei Pini e seus colegas
do Tribunal de Justiça do Amapá


O vento sopra em meu rosto e desalinha meus cabelos; eu abro os braços e sou por ele abraçado, como se flutuasse. Um brilho no canto do olho chama minha atenção e levanto um pouco a cabeça, a tempo de perceber os primeiros raios do sol, que vem surgindo à esquerda entre os prédios e lentamente tingindo tudo de dourado. A sensação de leveza e liberdade é indescritível.
Diante de uma beleza assim um homem se sente pleno, preciso admitir. Sim, senhor, todo mundo deveria experimentar essa sensação um dia, contemplar essa visão tendo o corpo simultaneamente refrescado pelo vento e aquecido pelo sol nascente. Sinto que posso deixar tudo de lado, que nenhum problema é insolúvel ou insuportável. Quero voltar para casa e recomeçar já; mas já as janelas passam por mim com velocidade crescente, e já a calçada lá embaixo se aproxima e posso distinguir suas rachaduras, será aquilo uma joani...



. . . . . .


Essa é uma acusação absurda, disse a madre superiora. E realmente parecia. Mas fato era que, tendo chegado ao convento a septuagésima noviça, naquela noite, a da sétima lua cheia do perigeu, uivos puderam ser ouvidos à distância no deserto circundante, onde nunca se tivera notícia de lobos; e no dia seguinte, murmurava-se, alguns catres haviam amanhecido intocados e outros com marcas de dois corpos, e aquele ambiente para sempre austero fora brevemente tomado por sorrisos.


. . . . . .

  
Kopes e o juiz Carlos Fernando no dia do lançamento do seu livro
Direitos para os Animais



No fim da tarde, quem desce o morro sempre avista Belarmino. Ao término da ladeira, logo após a curva, lá está ele, o corpo apoiado na mesma arvorezinha, o olhar fixo na estrada poeirenta.
Os habitantes das redondezas já se acostumaram àquela presença, quase parte da paisagem. Já os desavisados espantam-se ao ver de repente aquela figura magra ali parada, o facão atado a um lado da cintura, o embornal do outro. Alguns desses, por um momento, supõem ver nos olhos aparentemente vidrados uma sombra de loucura; mas a sensação, se surge, logo se desfaz, porque no rosto da estranha figura aparece um sorriso tímido e doce ao qual até os mais empedernidos acharão difícil deixar de corresponder.  
Mesmo para os moradores mais antigos daquele confim não há muito a dizer sobre Belarmino. Os pais morreram cedo; não tem amigos ou parentes conhecidos; e não há vizinhos próximos ao seu pequeno sítio. Sabe-se apenas que pesca, trabalha em sua roça de mandioca, e depois da faina diária caminha até aquele ponto da estrada, fazendo o caminho de volta quando escurece.
Ninguém sabe o que se passa na cabeça do matuto, dia após dia parado ali, alheado do mundo, vendo a vida passar naquele ponto da estrada. Alguns dizem que ele tem miolo mole;  outros supõem que talvez ele apenas queira distrair-se da solidão e não conheça outra maneira (e parte destes últimos concede que talvez ele realmente tenha miolo mole). De qualquer modo, ele deixou de ser novidade há muito tempo, porque nenhuma novidade sai daquele proceder contido e invariável, naquele trecho da estrada.
Belarmino, porém, sabe muito bem o que faz ali. Ele espera paciente, contrito, absorto, conforme lhe foi ordenado.
Um dia virá alguém pelo caminho. A Voz o apontará. A Voz lhe disse o que fazer. Nesse dia, quando ele passar por ali, Belarmino sacará seu facão e o retalhará em pedacinhos.
........................................


INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR


 

Luiz Carlos Kopes Brandão nasceu em Campo Grande-MS, e vive no Amapá desde 1989. É Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá. Lançou em junho de 2016 o livro Direitos para os Animais: Rompendo Paradigmas, pela Universidade Federal do Amapá, fruto de sua dissertação no Mestrado em Direito Ambiental e Políticas Públicas. Seu poema Cavalo-Marinho foi publicado na Antologia do I Festival Amapaense de Poesia (Tarso Editora/Valcan Editora, 2001); e alguns contos e uma crônica figuram nas antologias Contos do Desejo (Editora AMB, 2012), Tudo na Mais Perfeita Ordem (Editora Kelps, 2013) e Lembranças (Editora Kelps, 2013), organizadas pela Associação dos Magistrados do Brasil - AMB.




Nenhum comentário: