Pesquisar este blog

26 de mai de 2011

DAS ONDAS DO RÁDIO À REDE MUNDIAL: JOÃO LÁZARO EM FINA SINTONIA COM O SEU TEMPO

Texto: Paulo Tarso Barros

João Lázaro chegou ao Amapá pelas mãos da eminente professora Esther da Silva Virgolino, sua prima e mãe de criação no ano de 1950, com 2 anos – numa época em que Janary Nunes e sua equipe se desdobravam para criar a infraestrutura do futuro Estado. Paraense, nasceu no dia 26 de maio de 1948, sendo seus pais João Clímaco José da Silva e Maria Raimunda da Conceição. Estudou no Alexandre Vaz Tavares (primário) que na época tinha como diretora outra pioneira, a professora Maria Carmelita do Carmo. Posteriormente, passou pela Escola Normal, depois denominado de IETA – Instituto de Educação do território do Amapá para fazer o antigo curso ginasial. Também estudou no Colégio Amapaense e concluiu o segundo grau em Administração na Escola Comercial Gabriel de Almeida Café. É licenciado em Letras pela Universidade Federal do Pará e pós-graduado pela Universidade Salgado de Oliveira, do Rio de Janeiro.


A trajetória de João Lázaro possibilitou-lhe vivenciar experiências que contribuíram bastante na sua formação. Desde criança foi atraído para a Comunicação, sendo um ouvinte assíduo da programação da emissora estatal (RDM)nos anos 60 – tanto que passou a observar da janela a atuação dos artistas que se revezavam nas rádio-novelas e peças de teatro da época, tudo feito ao vivo. E foi em 1962, ao ingressar no movimento escoteiro, no grupo Veiga Cabral do Laguinho sob a liderança do Chefe Clodoaldo Nascimento, que João Lázaro teve sua iniciação através do serviço de alto-falante do Centro Educacional do Laguinho, o que o credenciou a apresentar o programa radiofônico Voz Estudantil (1963), da Escola Normal, sob a responsabilidade do Grêmio Literário e Cívico Barão do Rio Branco, que era transmitido pela Rádio Equatorial de Macapá (ZYD-11), já extinta. A partir dessa experiência, sua vocação o levou a uma profícua carreira de comunicador que deixou seu nome inscrito nos anais da comunicação do Estado do Amapá, sempre se destacando pela seriedade, profissionalismo e criatividade com que exerceu seu ofício.


Em 14 de março de 1964 ele foi convidado por um dos veteranos da Rádio Difusora de Macapá para fazer um teste na emissora, onde permaneceu até julho de 1968. Em agosto de 1968 foi trabalhar na emissora católica, a Educadora São José, onde permaneceu até julho de 1970, quando ele inicia uma nova experiência profissional, ingressando na Icomi, na qual trabalhou durante sete anos e desempenhou diversas atividades na empresa de Augusto Antunes. Mesmo empregado na Icomi, jamais deixou de fazer aquilo que sempre o fascinou: os programas de rádio, aos finais de semana, tanto na Rádio Educadora como na RDM, para onde retornou em maio de 1972. Em outubro de 1977 teve que se desligar da Icomi para assumir a Direção Artística e Administrativa da Difusora, que seria incorporada à Radiobrás e passaria a ser denominada de Rádio Nacional de Macapá, onde João Lázaro exerceria a função de programador e seu primeiro gerente.


Em março de 1979 o já experiente e reconhecido locutor ingressou na Prefeitura de Macapá, onde permaneceu durante 30 anos, até aposentar-se em 2009, nela exercendo relevantes funções administrativas, chefias de seções, divisões e gabinete do Prefeito, além de comandar o Departamento de Comunicação – pois é um dos sócio-fundadores do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amapá e membro da Associação Amapaense de Imprensa. Por seu desempenho notável na vida social e cultural, João Lázaro integrou muitas comissões organizadoras do Carnaval de rua de Macapá bem como das comissões responsáveis pela gravação dos primeiros discos de samba-de-enredo; atuou na organização do Arraial de São José e N. S. de Nazaré; apresentou durante muitos anos o concurso Rainha das Rainhas do carnaval Amapaense do Trem Desportivo Clube, entidade da qual é sócio-proprietário e já foi diretor social. Atuou como cerimonialista na sessão solene da Assembleia Legislativa do Amapá, em 28/12/1991, quando foi promulgada a primeira Constituição do recém-criado Estado do Amapá – além de ter participado também de cerimônias de visitas oficiais de ministros e do Presidente da Répública.


Em 1988, o pioneiro diário do Amapá, o Jornal do Dia, concedeu-lhe o Diploma de Destaque, reconhecendo a importância do seu trabalho na radiofonia, e em 2000 a Câmara Municipal de Macapá outorgou-lhe o título de Cidadão de Macapá. Também foi condecorado pelo Independente com o título de Honra ao Mérito pela sua valiosa colaboração ao clube santanense.


Católico, foi coroinha, escoteiro e constituiu sua família no dia 30 de março de 1973, casando-se com a jovem Marina Melo e Silva na Igreja de N. S. da Conceição, no bairro do Trem, e desse relacionamento nasceram os filhos: Márcio José (falecido), Marcos Jean, Carlos Fabrício, Cássio Murilo, Luiz Ricardo e Alana Cristina.


Atualmente, João Lázaro reside com sua família e os netos na cidade de São José dos Campos, interior de São Paulo. É de lá que ele edita e publica diariamente os seus dois blogues:


Fina Sintonia – http://fina-sintonia2.blogspot.com/ – Neste espaço ele publica “Notícias, Informações, Dicas, Curiosidades, Raridades, Ciência e Tecnologia, Bizarrices, Imagens, Música, Literatura, Arte, Atualidade e outros assuntos interessantes”.


Porta-Retrato – ou Macapá/Amapá de outrora - http://porta-retrato-ap.blogspot.com/ – Neste blogue, ele explica: “São postadas aqui fotos históricas que retratam a história e a memória do ex-Território Federal do Amapá e de seu povo.


Ao completar 63 anos, aposentado mas exercendo uma atividade que tem tudo a ver com a sua verdadeira vocação de comunicador, João Lázaro se utiliza da moderna tecnologia para dar continuidade àquele antigo anseio de menino espiando pela janela os artistas da RDM, em suas performances artísticas pelos velhos microfones, transmitindo para o Território do Amapá informações, notícias, mensagens, músicas e lazer. Agora, diante do navegador universal da internet, das multimídias poderosas e interativas, ele continua, mesmo do sudeste do país, a fazer parte da nossa Macapá - desta feita de modo virtual, com suas palavras (textos) e fotos, mas em tempo real. O Porta-Retrato é um passeio no tempo e no espaço, uma visita aos museus da memória e da recordação, pelas ruas, casas e paisagens da Macapá antiga, que vai se distanciando e deixando muitas saudades. Hoje, é com alegria e emoção que resgatamos velhas e às vezes já deterioradas fotos dos pioneiros, das primeiras famílias, dos funcionários e dirigentes – e João Lázaro procura contar a história de cada fotografia, trazendo à memória de muitos as lembranças de um tempo que não para, que mergulha no universo de infinitas imagens. E antes que se percam, sejam olvidadas e destruídas, as antigas fotografias se revitalizam, cumprem aquele papel de registro momentâneo, porém histórico e sentimental.


Parabéns, João Lázaro da Conceição e Silva, que Deus sempre te ilumine, abençoe e te conceda inspiração e determinação para continuar com esse trabalho, que podemos considerar jornalístico, memorialístico e, sobretudo, sentimental para todos que amam verdadeiramente o Amapá, servem ao Amapá – e não apenas esperam ser servidos pelo povo.

Esta é uma homenagem da APES ao grande comunicador, jornalista e professor ligado visceralmente ao Amapá.

2 comentários:

Diniz Henrique Fereira Botelho disse...

Aí, João, (longe mas sempre tão perto). Mamãe lembra de vc quando ia lá por casa (Av Mendonça Furtado, ao lado da Radional). Lembro de vc da rádio e do escotismo. [ei, caonde está aquele escoteiro que andava na cadeira de rodas?]. lembo muito da profra. Virgolino (mamãe, às vezes, a chama, carinhosamente, de "Virgó". Parabém pelo curriculo invejavel. Abraços deste fã. Diniz Botelho (dinizbotelho.blogspot.com)

João Lázaro disse...

Obrigado aos amigos Diniz e ao meu grande parceiro das letras - Paulo Tarso Barros - pelas referências que me emocionam e me incentivam cada vez mais. Obrigado mesmo!
grande abraço...