Pesquisar este blog

18 de fev de 2011

ALCINÉA CAVALCANTE, A ESTRELA AZUL...


 ... E VERDE, AMARELA, VERMELHA, ARCO-ÍRIS DE POEMAS E FLORES!

Fotos: site da Alcinéa
PARABÉNS, QUERIDA AMIGA,
ABRAÇOS FRATERNOS DOS SEUS CONFRADES!
SEJA SEMPRE ABENÇOADA POR DEUS
AGORA E SEMPRE!

Poeta, Professora, Jornalista, nasceu em Macapá no dia 19 de fevereiro de 1956. Poeta e com incursões nas artes plásticas, Alcinéa Maria Cavalcante Costa é  filha do poeta Alcy Araújo Cavalcante e da professora Delzuíte Maria Carvalho Cavalcante. Licenciada em Mecânica,  iniciou o curso na PUC/RJ e o  concluiu na UFPA. Fez o curso de Especialização em Comunicação e Língua Portuguesa e é pós-graduo-se em educação de adultos. Aos 14 anos iniciou suas atividades  jornalísticas. Em 1993 fundou a Agência de Notícias do Amapá (ANA), a primeira  do estado e já no ano seguinte criou o informativo via fax Ana Express. Em 1996 Alcinéa inaugurou uma home page da ANA na Internet, sendo a primeira jornalista amapaense a utilizar-se desse espaço para levar o nome do Amapá a milhões de pessoas em todo o mundo. Seu site  http://www.alcinea.com é o mais visitado do Amapá. Tem a credibilidade e o respeito dos internautas. A jornalista é bem relacionada em todas as camadas que constituem a sociedade amapaense e possui fontes privilegiadas. Além do mais, por mesclar com maestria jornalismo com literatura, arte e cultura, o espaço é uma vitrine do que acontece de melhor entre os produtores culturais - e um termômetro do cenário político amapaense.
 Durante vários anos Alcinéa foi a vice-presidente da Associação Amapaense de Escritores-APES, integra o Clube dos Poetas e Grupo Universo, além de ser uma carnavalesca apaixonada pela sua verde e rosa, a Maracatu da Favela.
Leiam a seguir 3 poemas da nossa homenageada de hoje.
(Texto: Paulo Tarso Barros)


Alcinéa com Paulo Tarso Barros na Biblioteca Pública


LÁGRIMAS ANDORINHAS



Se a saudade que sinto
dos teus olhos
me fizer chorar,
quero que as lágrimas
não só lavem a minha alma,
mas que se transformem em andorinhas
e voem rumo à frente da cidade,
onde por certo de encontrarão.
Se elas te encantarem
eu serei feliz.




Alcinéa com a profa. Risalva Amaral (2008)

REDAMOR



Eu te diagramo
tu me revisas
eu te pagino
tu fotolitas minha mente confusa
e tentas imprimir
a notícia imparcial
quando o momento é de parcialidade


Alcinéa com o escritor Paes Loureiro - Belém, 1972


LÁGRIMAS BORBOLETAS


Eu te espero
de braços
abraços
e sentimentos abertos.
Não transforme esta esperança
em lágrimas.
As lágrimas podem desbotar
as asas das borboletas
que passeiam nos jardins
que não são meus
nem teus
mas ficam mais floridos
e perfumados com a tua presença



Alcinéa, Carla Nobre e Eliakin Rufino

Alguns livros publicados por Alcinéa

3 comentários:

Samila Lages disse...

Uma grande mulher, um grande exemplo para todo o Amapá! Sou grande fã dela.

Alcinéa Cavalcante disse...

Obrigada, querido Paulo, pela homenagem. Fiquei muito emocionada e envaidecida.
Obrigada, Samila, por seu carinho.

Genny LiMo disse...

que linda homenagem, merecida por sinal, mto merecida. ^^

Parabéns pra Alcinéa!